sexta-feira, 27 de maio de 2016

[Passatempo] - Especial Duda: "Elfanos - O Legado"


E para celebrar esta Feira do Livro de Lisboa, temos um passatempo muito especial =D
O Tertúlias, em colaboração com a autora Duda, tem um exemplar autografado do livro "Elfanos-o legado", para oferecer.

Para terem a hipótese de ganhar este livro basta responderem acertadamente às questões abaixo, e claro, seguir as regras. Podem participar até ás 23h59 de dia 8 de Junho.

O Gosto na página da autora é OBRIGATÓRIO.

Se partilharem o passatempo publicamente será acrescentada uma entrada extra.

As respostas podem ser encontradas aqui.



Regras:
1) O passatempo decorrerá até às 23h59 do dia 8 de Junho
2) Qualquer participação que não possua algum dos dados correctamente preenchido ou contenha respostas incorrectas é automaticamente anulada.
3) OBRIGATÓRIO ser seguidor público do blogue ou seguidor via facebook   
4) O vencedor será escolhido aleatoriamente, através do Random. 
5) O vencedor será publicado no blogue e será contactado por email.  
6) É aceite uma participação por pessoa/email e residentes em Portugal (continental e ilhas)  
7) Nem eu nem as editoras nos responsabilizamos por extravios nos ctt


sexta-feira, 20 de maio de 2016

[Novidade] - Porto Editora: "História de um cão chamado Leal" de Luis Sepúlveda

História de um cão chamado Leal
Luis Sepúlveda

A comovente e bela História de
um cão chamado Leal

Luis Sepúlveda conta uma antiga história mapuche no seu novo livro. As ilustrações são de Paulo Galindro. 

Chega no dia 16 de maio às livrarias o novo livro infantojuvenil de Luis Sepúlveda, História de um cão chamado Leal, que mais uma vez conta com as magníficas ilustrações de Paulo Galindro. Descendente de uma longa linhagem de contadores de histórias, o escritor cumpre o seu destino narrando uma comovente história que lhe foi transmitida em criança pelo tio-avô, que pertencia ao povo indígena Mapuche, Gente da Terra, do Sul do Chile. «Sempre quis contar uma história às crianças mapuches […] Agora que me aproximo da idade do meu tio-avô, Ignacio Kallfukura, conto-vos a história de um cão que cresceu com os mapuches. De um cão chamado Leal. Convido-vos, pois, a virem à Arucânia, a Wallmapu, ao país da Gente da Terra.» 

Luis Sepúlveda, que foi recentemente distinguido com o Prémio Eduardo Lourenço, estará em Portugal no mês de junho:
  • Porto: No dia 8 de junho, será protagonista do porto de encontro, na casa da música.
  • Coimbra: a 10 de junho participa, juntamente com Richard Zimler, na Viagem Literária em Coimbra, no Teatro Académico Gil Vicente.
  • Lisboa: o autor vai estar presente na Feira do Livro de Lisboa nos dias 11 e 12 de junho, acompanhado por Paulo Galindro 
Sinopse:
Afmau, que significa «leal e fiel» na língua mapuche, a língua da Gente da Terra, é o nome ideal para um filhote de pastor-alemão que, sobrevivendo à fome e ao frio da montanha onde nasceu, assim demonstra a sua enorme lealdade à vida. Na companhia de Aukamañ, um rapazinho mapuche, Afmau aprende a conhecer o mundo que o rodeia e a respeitar a diversidade da natureza. Porém, nem todos pensam da mesma forma: um bando de estrangeiros, com costumes
estranhos aos da Gente da Terra, chega à aldeia onde Afmau vive, semeando o caos e o medo.
Condenado daí em diante a uma vida de servidão e crueldade, obedecendo a uma missão odiosa – perseguir e capturar todos os que se oponham ao bando de estrangeiros –, o destino acaba por proporcionar a Afmau uma derradeira oportunidade de redenção, numa fábula maravilhosa e naturalista onde Luis Sepúlveda reflecte sobre o peso do passado e da memória, a força da amizade e da solidariedade e o respeito pela Terra e por todos quantos nela habitam.
 

Sobre os Autores:
Luis Sepúlveda nasceu em Ovalle, no Chile, em 1949. Da sua vasta obra (toda ela traduzida em Portugal), destacam-se os romances O Velho que Lia Romances de Amor e História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar. Mas Mundo do Fim do Mundo, Patagónia Express, Encontros de Amor num País em Guerra, Diário de um Killer Sentimental ou A Sombra do que Fomos (Prémio Primavera de Romance em 2009), por exemplo, conquistaram também, em todo o mundo, a admiração de milhões de leitores. História de um cão chamado Leal é o seu 17º livro na Porto Editora. Recebeu recentemente o Prémio Eduardo Lourenço.

Nascido em 1970 e licenciado em arquitectura, Paulo Galindro é autor de diversos livros ilustrados, feitos em parceria com alguns dos mais importantes escritores nacionais e internacionais, como Luis Sepúlveda, António Mota, David Machado, entre outros. Viu a sua obra premiada por diversas vezes. Juntamente com Natalina Cóias criou o coletivo de ilustração Pintarriscos. Mais informações em www.paulogalindro.com
 

[Novidade] - Terra Lusa lança novos produtos inspirados na Renda de Bilros



Inspirada pelos motivos das Rendas de Bilros de Vila do Conde, a Terra Lusa completa agora mais uma das suas colecções com o lançamento de uma caixa de óculos e um pano microfibra.

A juntar a outros produtos com padrões já bem conhecidos, a marca apresenta agora mais duas opções de produto que homenageiam o valor cultural e social associado à manufactura das Rendas de Bilros de Vila do Conde.


Esta actividade, fortemente implantada desde o século XVI em Vila do Conde, é actualmente uma tradição bastante apreciada por permitir a combinação com um guarda-roupa trendy e cosmopolita. Estas tendências serviram de inspiração à criação das primeiras peças da colecção e vêem-se agora renovadas nestes dois novos produtos que prometem encantar os portugueses que se enamoram pela nossa tradição.

Sobre a Terra Lusa:
A marca Terra Lusa apresenta várias colecções de produtos onde cada referência é um tributo ao Património Cultural de Portugal: relógios, leques, eco sacos, lenços e mini guarda-chuvas, todos divididos em temáticas com raízes em elementos tipicamente portugueses. 800 Anos de História, Cultura e Tradição que inspiraram a concepção das várias peças em que a tecnologia de qualidade se alia ao design contemporâneo. As peças deste projecto 100% português encontram-se à venda online no site da marca, em estações dos CTT, em Museus e Lojas de Artesanato e Aeroportos.


[Novidade] - Porto Editora: "O cão que comia a chuva" de Richard Zimler e Júlio Pomar

O cão que comia a chuva
Richard Zimler e Júlio Pomar

Richard Zimler e Júlio Pomar num livro para todas as crianças

O cão que comia a chuva tem como tema principal o bullying nas escolas 

Richard Zimler escreveu, Júlio Pomar ilustrou e o resultado é o livro O cão que comia a chuva, que a Porto Editora publica no dia 19 de maio. Tendo o bullying, uma das grandes problemáticas dos nossos dias, como tema central da história, este é um livro para todas as famílias. «Aprender quando temos medo é praticamente impossível. Foi por essa razão que decidi explorar este tema. Foi uma grande honra trabalhar com o Júlio Pomar, que é um artista – e uma pessoa – formidável», diz Richard Zimler. Assim como Se eu Fosse, o seu livro anterior, O cão que comia a chuva foi escrito directamente em português e é já o quarto livro infantil do autor. Em todos, a mensagem é fundamental: «Procuro que os meus livros para crianças contribuam, em parte, para criar uma geração de jovens mais dinâmicos, confiantes e destemidos.» 

Sinopse:
Zé tem 11 anos e vive em Campo de Ourique, em Lisboa, com os pais, o seu afectuoso e atlético cão Adão e a sua impertinente e preguiçosa gata, Violeta. O Zé quer ser guarda-redes profissional e flautista mundialmente conhecido, mas quando começa a regressar da escola com pisaduras nos braços e a sangrar do nariz perde o interesse pela música e pelo desporto. Até se recusa a levar o cão e a gata a passear. Será que está com medo de alguma coisa? Porque perdeu o seu sorriso entusiasta? Quando a Violeta e o Adão finalmente compreendem as razões para a súbita alteração de comportamento do seu «irmão» humano, decidem defendê-lo — não olhando a perigos. Será que encontram a coragem necessária?
O cão que comia a chuva é uma história comovente e cheia de humor sobre o bullying e os seus efeitos devastadores sobre os mais frágeis. 

Sobre Richard Zimler:
Richard Zimler nasceu em 1956 em Roslyn Heights, um subúrbio de Nova Iorque. Fez um bacharelato em Religião Comparada na Duke University e um mestrado em Jornalismo na Stanford University. Trabalhou como jornalista durante oito anos, principalmente na região de São Francisco. Em 1990 foi viver para o Porto, onde leccionou Jornalismo, primeiro na Escola Superior de Jornalismo e depois na Universidade do Porto. Tem actualmente dupla nacionalidade, americana e portuguesa. Desde 1996, publicou onze romances, uma colectânea de contos e quatro livros para crianças. A sua obra encontra-se traduzida para 23 países.

[Novidade] - Porto Editora: "Rosa Montero no Porto de Encontro"

Sessão com a grande escritora espanhola  marcada para 22 de maio, às 17:00, no Teatro do Campo Alegre.
 
O “Porto de Encontro” do mês de maio é dedicado a Rosa Montero, um dos grandes nomes da literatura espanhola contemporânea. A 46.ª edição deste ciclo de conversas com escritores está marcada para 22 de maio, às 17:00, e promete encher o Teatro do Campo Alegre com os leitores de obras como A ridícula ideia de não voltar a ver-te, Lágrimas na chuva, ou o mundialmente famoso A louca da casa.
Lídia Jorge, que já protagonizou uma edição do “Porto de Encontro” (34.ª), é uma das convidadas desta sessão muito especial, sendo as habituais leituras asseguradas pelo escritor galego Carlos Quiroga.
No dia 16 de maio, a Porto Editora lança O Peso do Coração, o mais recente romance de Rosa Montero e um dos seus livros mais realistas. Usando a ficção científica como género, «uma ferramenta poderosíssima para falar do mundo e das suas possibilidades», neste título encontram-se os temas fundamentais na obra da autora – a identidade, a memória, o dogmatismo e a morte –, num livro que é simultaneamente um thriller, uma distopia, uma história de amor e uma reflexão sobre o peso da vida e a criação literária.
Esta 46.ª edição do “Porto de Encontro” conta com o apoio da Câmara Municipal do Porto, do Jornal de Notícias, da Antena 1, das Livrarias Bertrand e da Arcádia.
Esta iniciativa está a ser divulgada no sítio do Porto de Encontro em www.portoeditora.pt/portodeencontro e também em www.facebook.com/portodeencontro.

[Novidade] - Vogais: "Imagimorphia - ​Entre no estranho e fabuloso mundo de Kerby Rosanes"

Imagimorphia

Kerby Rosanes é um jovem desenhador filipino que utiliza vulgares canetas pretas na criação do seu mundo encantado de desenhos exaustivamente detalhados. As suas criações eram um hobby que se transformou em trabalho assim que surgiu o reconhecimento por parte de blogues de design, revistas e comunidades online. É hoje um dos desenhadores de doodles mais populares em todo o mundo, com mais de 2 milhões de seguidores na sua página de Facebook

Abandonou recentemente o seu emprego como designer gráfico para abraçar finalmente a sua paixão: criar mais arte para projectos pessoais e para diversos clientes, entre os quais se encontram empresas como a Nike, a Ford, a Mazda ou a Huawei.

Imagimorphia (Vogais l 96 pp l 10,99€) é o mais recente livro para colorir de Kerby Rosanes, sucedendo a Animorphia, o livro de colorir mais cobiçado pelas editoras nas Feiras de Bolonha e Londres em 2015 e já editado em Portugal pela Vogais.

No estranho e fabuloso mundo de Kerby Rosanes, os animais e os objectos transformam-se numa explosão de pormenores. Ao dar vida a cada uma das intrincadas imagens, colorindo e descobrindo os objectos escondidos em cada página, sentimo​-​nos uns verdadeiros artistas. Após pintadas, as páginas de Imaginorphia revelam-se uma obra de arte, com uma qualidade extraordinária, muito acima do habitual em livros de colorir para adultos.

[Novidade] - Bertrand: "O Assassínio de Cinderela" de Mary Higgins Clark e Alafair Burke

O Assassínio de Cinderela
Mary Higgins Clark e Alafair Burke
 
«Muita intriga e emoção»
Publishers Weekly
 
Aos 88 anos, Mary Higgins Clark continua a ser uma das autoras mais bem-sucedidas a nível mundial, pautando-se por uma carreira verdadeiramente prolífica. O Assassínio de Cinderela é o seu mais recente título editado pela Bertrand, com data saída para dia 13 de maio, e desta vez escrito em parceria com a escritora best-seller Alafair Burke.

O Assassínio de Cinderela é o primeiro volume da série Sob Suspeita. Em 2017, já está prevista a publicação do segundo título desta série: Toda Vestida de Branco.

Com mais de 150 milhões de livros vendidos em todo o mundo, Mary Higgins Clark é conhecida por ser a Rainha do Suspense, epíteto que mantém há 40 anos. 
 
«Os leitores vão estar constantemente a tentar adivinhar este fascinante mistério»
Booklist
 
Sobre as Autoras:
Mary Higgins Clark é autora de mais de trinta romances que obtiveram um êxito assinalável, tendo vendido mais de 150 milhões de exemplares dos seus livros em todo o mundo.
Foi secretária e hospedeira, mas depois de se casar, dedicou-se à escrita. Com a morte prematura do marido, que a deixou com cinco filhos pequenos, a autora investiu na escrita de guiões para rádio e, depois, nos romances. Rapidamente se tornou um dos grandes nomes da literatura de suspense, conquistando os tops de vendas, a crítica e os fãs.

Alafair Burke é autora best-seller de mais de uma dúzia de livros. Antiga advogada de acusação, é hoje professora de direito criminal em Manhattan.

[Novidade] - Porto Editora: "A Guitarra Azul" de John Banville

A Guitarra Azul
John Banville

John Banville apresenta novo romance em Lisboa

Conceituado escritor irlandês estreia-se na Feira do Livro de Lisboa para lançamento de A Guitarra Azul

John Banville, «um dos escritores mais imaginativos de língua inglesa dos dias de hoje», tem um novo livro: A Guitarra Azul, que a Porto Editora publica a 19 de maio, dias antes de o autor chegar a Portugal para o apresentar na Feira do Livro de Lisboa, a 28 de maio.

Recentemente distinguido com o Prémio Príncipe das Astúrias das Letras, John Banville foi ainda premiado com o Man Booker Prize – pelo romance O Mar –, com o Prémio Kafka e o seu nome já surge inclusivamente nas listas de candidatos ao Prémio Nobel da Literatura. Os seus livros têm sido aclamados pela crítica, que reconhece na sua escrita ecos de James Joyce, Vladimir Nabokov, Samuel Beckett, Dylan Thomas e, ainda, José Saramago. 

Sobre o Livro:
Abandonado pelas musas, Oliver Orme pode já não ser um pintor, mas será sempre um ladrão. Orme não rouba por dinheiro, mas pela necessidade de reter e corrigir o mundo em seu redor e pelo prazer, quase erótico, de furtar algo aos outros; bens irresistíveis como Polly, a mulher do seu melhor amigo Marcus. Quando o caso de ambos é descoberto, com consequências irreparáveis para Marcus, Polly, Orme e a sua mulher Gloria, o culpado refugia-se na sua casa de infância, enveredando por um caminho que irá forçá-lo a enfrentar-se a si próprio em busca de redenção.
Mordaz, espirituoso, emocional e devastador, A Guitarra Azul disseca a natureza do ciúme e dos relacionamentos e revela uma vida assombrada pelo desejo da posse, permanentemente consciente da fragilidade do coração dos homens. 

A Imprensa:

Eloquente […]. Oliver tem aquele ar sarcasticamente desgraçado, típico de uma personagem de Samuel Beckett. 
The Wall Street Journal

A escrita de Banville está polvilhada de alusões explícitas e implícitas a Keats, Dylan Thomas, Botticelli, Coleridge, Washington Irvine, Bonnard.
The Independent

Banville é o arquiteto da palavra por excelência. Todas as que aparecem neste livro foram cuidadosamente pensadas e todas são essenciais.
Publishers Weekly

Maravilhoso […] Tal como em Proust ou Nabokov, os acontecimentos passados surgem refratados através de artifícios linguísticos que redimem as memórias dolorosas. Um drama poderoso […] hábil e comovente. 
The Daily Telegraph

Tal como José Saramago, Banville oferece-nos um mundo aleatório, onírico, mas ao mesmo tempo arraigado na experiência. (sobre Luz Antiga) 
Sunday Times

Banville é um mestre e a sua prosa um prazer infindo.
Martin Amis

Um dos escritores mais imaginativos de língua inglesa dos dias de hoje. 
The Washington Post 

Sobre o Autor:
John Banville nasceu em Wexford, na Irlanda, em 1945. Na sua já vasta e premiada obra destacam-se Doutor Copérnico (James Tait Black Memorial Prize 1976), Kepler (The Guardian Fiction Prize 1981), Fantasmas, O Intocável, O Livro da Confissão (finalista do Booker Prize 1989) e O Mar (vencedor do Man Booker Prize 2005). Em 2011 foi distinguido com o Prémio Kafka e, em 2014, com o Prémio Príncipe das Astúrias das Letras. 

[Novidades] - Topseller: "A Rainha do Verão" de Elizabeth Chadwik e "Incendeio-te" de J. Kenner

A Rainha do Verão
Elizabeth Chadwik

«Reconhecida pela profundidade dos seus romances históricos, Elizabeth Chadwick relata-nos uma guerra
dos sexos através dos olhos de uma grande mulher.»
New York Post

«Vai sentir-se a entrar numa viagem magistral!»
Daily Telegraph 

Leonor de Aquitânia.
Uma das mulheres mais poderosas da História.

Jovem, bonita e privilegiada, Leonor tinha tudo para viver um futuro brilhante como herdeira da próspera Aquitânia. Quando o seu pai, Guilherme, Duque de Aquitânia, morre subitamente no verão de 1137, Leonor tem de abandonar a sua infância e assumir-se como duquesa.

Enviada para Paris e forçada a casar com o príncipe herdeiro Luís VII, Leonor pouco ou nada se tinha ainda adaptado à sua nova vida quando o rei morre e ela se torna Rainha de França.

Com apenas 13 anos, tem de deixar tudo para trás e aprender a viver na bruma complexa da Corte e do Clero. Depois de se confrontar com os mais diversos desejos, intrigas e ambições, Leonor apercebe-se de que poderá controlar o futuro se souber escolher o momento certo para agir.

Com A Rainha do Verão, Elizabeth Chadwick dá início a uma trilogia sobre Leonor de Aquitânia, onde nos deslumbraremos com a sua história, triunfos e tragédias, e nos deixaremos levar numa fascinante viagem ao alvor da Idade Média.
 

Sobre a Autora:
Autora bestseller do New York Times, Elizabeth Chadwick conta com mais de 20 romances históricos publicados em diversas línguas. Os seus livros foram contemplados com inúmeros prémios, entre os quais o de Melhor Romance Histórico da Romantic Novelists Association e o Betty Trask Award.
Apaixonada pela Idade Média e pelo dia a dia desta época, Elizabeth é hoje uma das mais importantes romancistas históricas da Grã-Bretanha e foi considerada pela Historical Novel Society como «a melhor escritora de ficção medieval» da actualidade.
Saiba mais sobre a autora em www.elizabethchadwick.com.


Incendeio-te
J. Kenner

Incendeio-te conclui a publicação da trilogia Most Wanted.

Da autora vencedora do prémio Melhor Romance Erótico 2014, atribuído pela Associação Americana de Escritores de Romance. 

Não sabia o que era o risco até o ter conhecido. Não entendia o que era a paixão até ter sentido o seu toque. Devia ter-me mantido à distância, mas como, se ele era tudo aquilo que eu desejava? Se eu sabia que só ele poderia concretizar as minhas fantasias mais obscuras? Eu queria-o, tão simples quanto isso.

Kat Laron esconde segredos de um passado conturbado, tendo adoptado uma falsa identidade e entrado num jogo de mentiras em que a regra principal é não atrair atenções.

Cole August, dono de uma galeria de arte na zona de Chicago, é um homem influente e desejado por muitas mulheres, por quem Kat se sente tremendamente atraída. Mas existe alguma coisa por definir no comportamento de Cole, algo que revela que também ele esconde segredos – uma verdade sombria que o marcou profundamente.

Kat, contudo, não consegue abandonar aquele jogo de sedução, arriscando quebrar as próprias regras para satisfazer as suas fantasias mais obscuras… 

Sobre a Autora:
J. Kenner é uma autora norte-americana cujas obras estão em todas as listas de bestsellers do seu país, incluindo as do New York Times e do USA Today. Entre os mais de quarenta romances, novelas e contos que já publicou, a série Stark – Liberta-me, Deseja-me, Ama-me, Possui-me, Captura-me, todos publicados pela Topseller – é a que tem maior êxito.
Deseja-me venceu em 2014 o Prémio RITA para Melhor Romance Erótico, atribuído pela Associação Americana de Escritores de Romance.
J. Kenner vive no interior do Texas com o marido e as duas filhas.
Saiba mais sobre a autora em www.juliekenner.com 

[Novidade] - Porto Editora: "Batalha Final" de Robert Muchamore

Batalha Final
Robert Muchamore

Batalha Final, a explosiva conclusão da série Henderson’s Boys
Colecção de Robert Muchamore revela as origens da CHERUB 

A 12 de maio, a Porto Editora publica o muito aguardado Batalha Final, sétimo e último volume da série Henderson’s Boys, de Robert Muchamore, que revela as origens da CHERUB, a divisão juvenil do MI5 britânico.
Ambientada na II Guerra Mundial, Henderson’s Boys leva os leitores a conhecer as origens da organização de jovens espiões e, simultaneamente, as batalhas e acontecimentos mais marcantes deste período histórico (como a Batalha da Inglaterra ou o Dia D).
No nosso país, o ex-detective privado Robert Muchamore é considerado «o escritor infantojuvenil da actualidade» (Jornal de Notícias), «o autor estrangeiro preferido dos jovens leitores portugueses» (Diário de Notícias), que «arrasta multidões» (Diário Económico) e «conquista milhões de jovens» (SIC). Aliás, «num país em que os pais se queixam sobre a falta de leitura dos filhos, Muchamore contraria esta situação» (Diário de Notícias) e os seus livros «são um sucesso entre os adolescentes» (RTP). Até ao momento, em Portugal, já se venderam mais de 500 mil livros da autoria de Robert Muchamore.
 

Sinopse:
Verão de 1944.
Enquanto os Aliados se preparam para desembarcar em França, Marc e os seus amigos têm de destruir o batalhão de tanques alemães que poderá frustrar o plano.
A guerra corre de feição para os Aliados, mas o desespero anima o moral nazi, agora mais determinado que nunca. A batalha final dos agentes de Henderson será também a mais perigosa. Com falta de mantimentos e munições, sobreviver será o maior desafio de todos.

Imprensa:
É o autor estrangeiro preferido dos jovens leitores portugueses.
Diário de Notícias

Num país em que os pais se queixam sobre a falta de leitura dos filhos, Muchamore contraria esta situação.
Diário de Notícias

Robert Muchamore é o escritor infantojuvenil da actualidade.
Jornal de Notícias

Robert Muchamore, autor juvenil das séries CHERUB, arrasta multidões. 
Diário Económico

Livros do britânico Robert Muchamore são um sucesso entre os adolescentes. RTP

Colecção que conquista milhões de jovens. 
SIC 

Sobre o Autor:
Robert Muchamore nasceu a 26 de Dezembro de 1972, em Islington, Inglaterra. Trabalhou durante treze anos como detective privado, mas abandonou a profissão para se dedicar à escrita a tempo inteiro.
Costuma levar quatro a cinco meses a escrever um livro, sendo que dedica o primeiro à pesquisa e o segundo à planificação da história. Só depois escreve. Segundo o próprio, tentar escrever aquilo que gostaria de ter lido aos 13 anos de idade foi a principal razão para a criação da colecção CHERUB.
Sítio oficial da colecção: aqui. Sítio oficial do autor: aqui.
Sítio oficial português: aqui. Facebook da colecção portuguesa: aqui.